Nova roupagem


As vezes é preciso olhar para trás e ver nossos traços sob outros conceitos antes nunca imaginados. Com o correr do tempo evoluímos, mas, seria bom fazer uma releitura dos trajetos que nos edificaram aplicando nossas técnicas desenvolvidas no percurso.

Essa postura também pode ser válida para nossa vida pessoal, pois, podemos somar pontos revisando valores e estruturas dos pilares de sustentação que formaram nosso mundo interior.

Landscape - mista s/tela - 08/2016 ‪- Elma Carneiro‬
Landscape - mista s/tela - 0,70 x 0,90 - 08/2016 ‪

“Criar significa poder compreender e integrar o compreendido em novo nível de consciência. Significa poder condensar o novo entendimento em termos de linguagem [...]. Assim, a criação depende tanto das convicções internas da pessoa, de suas motivações, quanto de sua capacidade de usar a linguagem no nível mais expressivo que puder alcançar. Este fazer é acompanhado de um sentimento de responsabilidade, pois trata-se de um processo de conscientização”. Fayga Ostrower



Mista s/tela - 0,50 x 0,70 - Elma Carneiro 07/2016 - 

Sou filha do meu tempo e dentro dele crio minha linguagem. 

 Lembrando Wassily Kandinsky.

"Toda a obra de arte é filha do seu tempo e, muitas vezes, a mãe dos nossos sentimentos.

A obra é filha do seu tempo porque a Vida exige uma plasticidade própria em cada época histórica – porque é a Vida que se manifesta na obra de arte. Por outro lado, a obra de arte não pode ser apenas um resultado, um mero espelho do “espírito do tempo”, porque ela é a raiz, a origem, “a mãe dos nossos sentimentos” e do ambiente dessa mesma época.

Quando Kandinsky escreveu o livro “O espiritual da arte”, acreditava que a pintura, como a música, deveria exprimir a “vida interior“ do artista, os mais profundos sentimentos e intuições, sem recorrer à “reprodução de fenômenos naturais".

Espiritual, porque a obra de arte não representa tanto o mundo exterior quanto o interior da Vida: o objetivo do artista é reconduzir a realidade invisível, espiritual, o que é comum ao mundo e ao homem, a alma do universo, à experimentação sensível através da obra de arte. Nela deverá apreender-se como as determinações subjetivas individuais e as do universo/cosmos identificam-se.

.
O tema não tem grande importância para um bom pintor – apenas fornece a ele a oportunidade de pintar relações significantes da cor e forma. O pintor não é mais a única pessoa que pode representar o nosso mundo “como o vemos”. O fotógrafo pode fazer isso melhor e mais rapidamente e pode fazê-lo também em cores. Daí a representação das coisas pode ser frequentemente deixada ao fotógrafo". Jan Tschichold

.
Mista s/tela - detalhe - Elma Carneiro 06/2016
Traços - mista s/tela - detalhe - Elma Carneiro 06/2016

Cada artista tem uma linguagem que define uma forma de expressão que nasce do inconsciente durante seu processo criativo em momentos de introspecção sensorial. Esse é o sentido das palavras de Jan Tschichold deixando claro que o papel de um artista está todo focado no seu interior e ele deve sentir-se livre para criar suas próprias formas sem apelar às coisas que seus olhos veem e sim como ele sente porque a arte abstrata como linguagem contemporânea não mais representa as coisas como vimos com nossos olhos.

A forma de expressão revela nossa subjetividade, nossos temas brotam do exercício mental e emocional sem nenhuma interferência do mundo exterior ou visual. Uma arte abstrata não carrega influências externas para se expressar, ela faz parte da nossa personalidade. Cada ser humano é único, nossa mente também é como as impressões digitais, porém para um artista essas impressões são voltadas às nossas ondas cerebrais, por isso a obra desse artista contém formas personalizadas, essa é a premissa.
Para entender essa diversidade precisamos ter uma visão liberta de conceitos. Não há nada mais emotivo e diversificado vindo desse leque de opções, ele é riquíssimo e infinito, cada obra é única e para se inteirar dessa diversidade precisamos ter uma visão liberta de conceitos, por isso ela pode parecer monótona por exigir de nós uma maior concentração na sua leitura.
ElmaCarneiro


.

A primeira ideia é registrada no desenho


Estudo e projeto digital para uma nova tela, porque a geometria abstrata é incubada  e planejada mesmo sendo uma criação espontânea. Na elaboração definitiva de uma tela, muitas vezes são acrescentados ou eliminados alguns traços, porém, a princípio essa é a ideia.

Usando o Paint Windows - Desenho-projeto digital para pintura em tela - Elma Carneiro
"O artista que descuida da criação plástica é um imitador, e não um criador. Sua obra não terá fundamento plástico."

Em processo de criação, essas formas não existem senão quando extraídas de dentro do meu próprio conceito artístico. Não é o melhor e nem o maior, mas, você não vai ver essa formação de linhas e cores em nenhum lugar do mundo, elas existem porque saíram da minha abstração. Esboço de um projeto em desenho digital para tela inspirado em um campo de futebol.



Linhas


Óleo s/tela - arte geométrica em tonalidades preto e cinza, arte de  Elma Caraneiro
Formas geométricas - linhas - óleo s/tela 100 x 0,80 - Elma Carneiro
Todos deviam ser tão diferentes quanto possível.
Não há nada que seja comum a todos nós, exceto nosso impulso criativo. Para mim ela [a arte abstrata] significa uma coisa: descobrir-me tão bem como possível.
Mas todos nós temos impulso de ser criativos em relação à nossa época a época a que pertencemos pode vir a ser aquilo que temos em comum. Hans Hofmann



Formas planas, geometria abstrata, arte de Elma Carneiro
Geometria - Formas planas óleo s/ tela de Elma Carneiro
“O fazer arte implica ‘num único momento’, em que se fundem memória e intenção (que significam passado e futuro) e intuição (que indica o eterno presente). O ferro está sempre em brasa”.
(Nachmanovitc.)

 Da mesma forma que necessitamos ser criativos para viver e resolver problemas da vida diária, necessitamos ser criativos para resolver problemas estéticos / artísticos e chegarmos à obras originais. Se para a criação em arte procuramos estar em dia com novas técnicas, tecnologias e materiais, por quê não realizar com o mesmo interesse o uso dos conhecimentos e técnicas que a criatividade nos oferece?

Arte abstrata: Formas cores e nada mais - Mista s/tela, fevereiro de 2016 - Elma Carneiro
Arte abstrata: Formas cores e nada mais - Mista s/tela, fevereiro de 2016 - Elma Carneiro
O mundo é geométrico e suas formas podem ser vista também sob contornos abstratos quando observada a essência da sua formação primária e original independente de influências exteriores ou ideias particulares e objetivas. Quando o artista se inspira na natureza, nada é indecifrável, tudo é revelado, pois é uma questão do ângulo de visão, observação e percepção.

Lembrando bem Paul Klee: "A arte não reproduz o visível, mas torna-o visível". Esse é o verdadeiro sentido dessa frase do artista, as vezes confundida e mal interpretada.



«Só identificamos visualmente uma forma por meio da luz e a luz é identificada apenas pela forma; posteriormente, vemos que a cor é um efeito da luz em relação à forma com sua textura. Na natureza, a luz cria a cor; na pintura, a cor cria a luz. Na pintura sinfônica, a cor é o verdadeiro veículo da construção. "Quando a cor é rica, a forma será plena". Esta declaração de Cézanne serve de norma para os pintores. A luz deve surgir de dentro, valendo-se das propriedades intrínsecas que as relações de cor oferecem. A iluminação não deve vir do exterior, criada por efeitos superficiais. Quando ela brota de dentro para fora, a superfície pintada respira, pois as relações de intervalo que regem o todo a tornam oscilante, cheia de múltiplas vibrações».

Conceitos da Arte Moderna - Hans Hofmann — Pintor germano-americano e professor teórico.
Arte geométrica - triangulações - Elma Carneiro
Triangulações - Obra de Elma Carneiro -  óleo s/tela - 0,60 x 0,90 - Fev de 2016

"Os românticos foram instigados" Mark Rothko, 1947 

.
"Os românticos foram instigados a buscar motivos exóticos e a viajar para lugares distantes. Não compreenderam que, embora o transcendental deva envolver o estranho e desconhecido, nem tudo o que é estranho e pouco conhecido é transcendental.

 A hostilidade da sociedade para com sua atividade é difícil de ser aceita pelo artista. Não obstante, essa hostilidade pode servir como um fermento para a verdadeira liberação. Livre de um falso sentimento de segurança e comunidade, o artista pode abandonar seu talão de cheques bancários, tal como abandonou outras formas de segurança.
Tanto o sentimento de comunidade como o de segurança dependem do que é familiar. Livre deles, as experiências transcendentais se tornam possíveis.
Vejo meus quadros como dramas; as formas nos quadros são os personagens. Estes foram criados a partir da necessidade de um grupo de atores que sejam capazes de movimentar-se dramaticamente, sem embaraço, e de fazer gestos sem timidez.
Nem a ação nem os atores podem ser previstos ou descritos antecipadamente.
Começam como uma aventura desconhecida num espaço desconhecido. É o momento de conclusão que, num lampejo de conhecimento, se vê que tem a quantidade e a função que se pretendia.

As ideias e planos que existiam na mente no início foram simplesmente a porta pela qual deixamos o mundo nos quais correm. "

 Teorias da Arte Moderna - H.B.Chipp
Movimento entre as formas, geometria abstrata da artista Elma Carneiro
Azul transparente- óleo s/tela - 090 x 100 cm - Elma Carneiro

Inovando formas usando uma geometria com linhas cruzadas em tonalidades de azul. É um trabalho meticuloso e demorado, pelo fato de contar com o tempo para a secagem da tinta a fim de elaborar as formas sobrepostas. Minha primeira tela de 2016. 

Segue um texto sobre o movimento, do artista Hans Hofmann, pintor germano-americano e professor teórico do Expressionismo Abstrato colhido do livro de H.B.Chipp Teorias da Arte Moderna - capítulo Arte Contemporânea.

▂▃▅▆█▆▅▃▂

"A vida não existe sem movimento e o movimento não existe sem a vida. O movimento é a expressão da vida. Todos os movimentos são de natureza espacial. A continuidade do movimento através de todo espaço gera ritmo. Portanto, ritmo é a expressão da vida no espaço. O movimento se desenvolve a partir de sensações profundas. Há movimentos de fora para dentro do espaço e movimentos de dentro para fora do espaço, ambos expressos através da forma e da cor. O produto de dois movimentos contrários é a tensão. Quando a tensão — a força de trabalho — está expressa na obra, isso faz com que ela seja dotada de um vívido efeito de forças coordenadas, mas opostas. O movimento tal, como o percebemos, pode apresentar-se com duas ou três dimensões. Sobre uma tela plana ele há de ter necessariamente duas dimensões. O movimento tridimensional só pode ser expresso no plano pictórico como bidimensional, pois, na verdade, não se pode dar profundidade à superfície do quadro, mas apenas uma sensação dela. Pela mesma razão, não se pode realmente produzir o movimento sobre a superfície do quadro —
o que se tem é a sua sensação. Profundidade e movimento encontram expressão formal na mobilidade artificiosa dos planos e linhas dentro da superfície do quadro. A tensão gerada por dois movimentos contrários, obtida através da ordenação e da unidade plástica, se equipara à experiência de vida do artista e à disciplina que ele se impõe. Isso suscita uma reação de simpatia da parte do observador. O equilíbrio de diversos fatores contrastantes gera uma vida de muitas facetas, embora unificada. Uma representação plástica que não, seja regida pelo movimento e pelo ritmo é uma forma morta, portanto inexpressiva. A forma é o invólucro da vida. A forma se nos revela como algo vivo nas suas tensões de superfície. Essas tensões são controladas pela magia das forças vivas. Somente quando a vida é vista em toda sua plenitude é que a forma apresenta suas grandes tensões de superfície. A forma se reduz e se dissolve quando a vida desaparece, dando lugar a um espaço frio e inanimado. Com a dissolução da forma, resta apenas o nada irrepreensível".

.

.